domingo, julho 09, 2006

À deriva

A verdade é que... estou à deriva.
Odeio o mundo. Não tenho energia para nada.
Nada tem resultado: sair, namorar, meditar... Nada. Nada me tem devolvido a energia que preciso para "voltar à vida"...
Sabia que, quando voltasse de Inglaterra, depois da euforia inicial, ia arranjar uma desculpa para ficar brutalmente deprimida... Não se larga um sonho sem "estrabuchar"... Mas, mesmo sabendo isso tudo, consegui cair do "18.º andar" e estatelar-me no chão com mais frça do que algum dia podia prever...
Tenho batalhado para contrariar este estúpido sentimento de perda de mim própria (o meu último texto prova-o!)... mas não tem resultado.
É que... se eu voltar a tudo o que deixei pendente - os meus projectozinhos, os contos, os currículos... Voltar a tudo isso seria admitir que o sonho acabou...
O problema é que ele acabou! Acabou mesmo! Ou então eu não estaria a odiar o mundo inteiro e todos os que me rodeiam... Se o sonho não tivesse acabado, eu não estaria à deriva...

Ficam as palavras imortais dos Nickelback. A música chama-se "Savin' Me" e é do último álbum, "All The Right Reasons". Este é o refrão:

"Show me what it's like
To be the last one standing
Teach me wrong from right
And I'll show you what I can be
Say it for me
Say it to me
I'll leave this life behind me
Say it if it's worth saving me..."

Acho que é isto que eu também procuro. O mais doloroso é que eu já o achei algumas vezes(o sentimento de "me encontrar") e volto sempre a perdê-lo. Por isso é que dói TANTO "deixar" Inglaterra para trás...

9 comentários:

Ant disse...

Dói tanto deixar para trás oq ue quer que seja que se quer ter ao pé para sempre.
Bjo

ivamarle disse...

podes sempre voltar, ou então ir para outro lado.O mundo tem tanto para nos mostrar e ensinar...

Amor Maior disse...

Por que vais deixar para trás um momento tão especial? Será que o novo princípio não está aí mesmo? Não tenhas medo! Vai em frente! Não desistas! Beijo meu

bloackt disse...

SONHO MALFADADO

Meu sonho veio numa nau
Na qual eu embarquei
Para não parar de sonhar
Mas quando constatei
Tratar-se dum sonho mau
Apeteceu-me chorar
De tão triste que fiquei.

Tristeza passageira
Própria de sonhador
Amante puro da vida
Levo a sério a brincadeira
De viver para o amor
Ou qualquer coisa parecida.

Meu sonho anda á deriva
Não me consigo encontrar
Muita coisa quero saber
A sorte anda tão esquiva
E querendo navegar
Que ando eu aqui a fazer.

Não fico nem parto
Não venho nem vou
Sinto-me algo parado
Estou a ficar farto
Quero saber quem sou
Neste sonho malfadado.

bloackt.

GK disse...

Belo poema. É isso mesmo. Com a diferença de que o sonho foi mesmo sonho... O pior é guardá-lo apenas como memória...

Já agora, Ivamarle, suponho que não tem a ver exactamente com a geografia e sim com o que eu consegui sentir, o que soube ser.

Amor Maior, tenho de permitir que se torne apenas uma memória. Se não o fizer não consigo voltar à "vidinha" normal. É o lembrar-me do bom que foi que não me tem permitido aceitar o "algo menos" que é sempre a vida real...

Sim, Ant, dói MUITO.

Obrigada a todos pela visita.

Bj.

MoonLight disse...

hum! Não acho que vás desistir... Não é o teu género! Vais lutar! Experimenta olhar para o que queres de outras formas, de outras perspectivas... Quem sabe encontras lá os caminhos... porque as respostas são as que o teu coração te dá, e tu podes não querer ver! Fica bem! Bjs de Luz

As cores da vida disse...

A aprendizagem é constante... Há que saber olhar para todas as coisas deste mundo de uma maneira especial... Tentar entende-las! E amá-las como elas são. Nem sempre as coisas correm como nós queremos e, até nos habituarmos à ideia de que aquilo que queremos, que precisamos não vai acontecer por um motivo ou por outro vamos sofrendo, mas logo temos a necessidade de nos aperceber que daí - da não realização de um determinado objectivo - podem surgir outras coisas boas. Há que saber aproveitar tudo :-)

Um beijinho e não te esqueças que há dias e dias e tudo pode mudar de um momento para o outro... ;)*

GK disse...

MoonLight e As cores da vida:

Têm toda a razão e sei de tudo isso (mesmo!). Mas ainda não consigo controlar o que gostaria: o meu humor, a minha energia, o meu amor... Sei que tenho de esperar, mas ainda me desgasto a fazê-lo. Assim, continuo à espera... Infelizmente, a minha espera é impaciente... ainda...

Rui R disse...

Há muito mundo para ver e por aprender. As derivas nunca são derivas. E também há quem caia de um 18º andar, mas esses (as) não o escrevem...
PS - n leve a mal: o plural de curriculum, é curricula.
Xxx's se os quiser