sexta-feira, setembro 08, 2006

"Loja do Drogadão" ou "Drogadex"...

Quando abre o “supermercado” no Ingote, quem precisa de “se abastecer” tem de arranjar dinheiro até chegar lá… É por isso que andar sozinho, depois de escurecer, na zona de Coimbra B é perigoso.
Droga! Sempre a droga!
Legalize-se. Legalize-se TUDO!
Já estou a imaginar um quiosque do Estado, instalado bem no meio do Ingote, com funcionários uniformizados. Um quiosque grande, arejado, com telefones e ar condicionado. E guichets individuais. E um sistema de senhas, como na Loja do Cidadão.
Podia chamar-se “Loja do Drogadão” ou “Drogadex”. E, tal como na Segurança Social, a clientela seria seguramente numerosa.
Se pegarmos no exemplo da Segurança Social, haverá filas de duas horas…
Filas de duas horas… Isto, para alguém que precisa de uma dose, deve ser dantesco! Já estou a ver um pobre agarrado, a ressacar, de senha na mão, à espera, enquanto a funcionária liga à melhor amiga para saber as novidades… Digam lá se isto não ia diminuir o consumo!
… Vá! Quem tiver uma solução melhor, apresente-a. Estamos a lidar com problemas sociais sérios!

11 comentários:

Ivo disse...

Gk, apesar da seriedade do problema... n pude deixar de rir com a forma como falaste dele!!


É um tema qua não sei bem.... Se será melhor legalizar ou não!! Não Sei!! enfim...

BEijo

Mariana disse...

wow!!! isto que descreveste é digno de um filme do fellini!!!
LOL!
mas concordo contigo! legalizar-se ou não... não sei... mas pelo menos que se pense a sério nisso!!!

Mina disse...

A brincar, também falamos de coisas sérias :)
Muito boa ideia.
Beijoca.

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

Estou sem ânimo... talvez cansada...
Hoje serei breve direi apenas BOM FIM DE SEMANA
Beijos

Pierrot disse...

Este texto abriu-me a curiosidade.
É que eu sou de coimbra, Sé Velha mais precisamente, mas pelo facto de já não viver por lá faz muitos anos, faz-me desconhecer um pouco a realidade actual da minha terra.
Com que então, O Ingote é um antro de descaminho. Coimbra B...não fazia ideia.
E a tua sugestão é brutal. Anedótica mas real. E porque não?!?
Fartei-me de rir com o teu post.
Quanto ao desafio que me lanças no meu "cantinho", é um pouco dificil de realizar, face à minha timidez inveterada e à minha resistência quase jurássica em me dar um pouco mais a conhecer, desta forma. Diria que já sabes que sou teu conterrâneo e que podes sempre visualizar-me no meu 1.º post do blog chamado "Pierrot" datado de Maio, onde publico a minha unica foto sem "maquilhagem" nem lágrima, onde explico um pouco de mim, o porquê de me achar Pierrot, isto para além de poderes aceder ao meu portfolio no blog, onde falo um pouco de mim.
Suficiente?
Fala-me de ti
Bjos daqui
Eugénio

José Manuel Dias disse...

Problema complexo...e não é por ser ignorado que deixa de existir. Seria interessante compreender porque é que se iniciam na droga...e em que condições.Talvez aí esteja a resposta mas uma solução mais estrutural Combater as causas e não os efeitos terá, seguramente, melhores resultados.
Abraço

José Manuel Dias disse...

Ola!!

Tomei a liberdade de te linkar...Sempre ficas mais próxima.
;-)

Luis Duverge disse...

A solução passa 1º por quebrar o negócio 2º acompanhar os toxidependentes verificando se as doses vão diminuindo e substituidas por metadona. Acontece que este como outros negócios dão dinheiro a muita gente. E além disso é um negócio com uma perspectiva diferente o cliente procura o vendedor.
Assim o 3º passo devia ser educar a população. Ora acontece que quem educa neste momento são os Professores os Pais estão na maioria ausentes ...bem temos aqui um problema social e não um problema local. Certo ?
Virei ler-te

SoNosCredita disse...

belo cenário, sem dúvida...

libertynus disse...

então não é melhor sexo do que droga....???

GK disse...

Bom... Pensei que poderia ser crucificada por "brincar" com um tema sério... Afinal...

A verdade é que sou portuguesa e os portugueses brincam com tudo. "É melhor rir do que chorar", já diz o povo.

Sinto-me obrigada a explicar que o meu à-vontade com o tema nasce da proximidade... Não minha, mas de pessoas que fizeram (e algumas fazem ainda) parte da minha vida...

José Manuel:
As escolhas que se apresentam a cada pessoa são diferentes... Há pessoas que nem sabem que podiam não ir por ali. Outras que entram para experimentar. Outras que entram para provar a alguém que não se tem necessariamente de ficar agarrado. Outras que entram por desespero puro. São escolhas. A minha sempre foi clara. Mas isto não vale para todos, porque a vida não é a preto e branco...

Libertynus:
Ora aí está um slogan que podia funcionar melhor do que as campanhas que tenho visto... Mas... e a SIDA...?