sexta-feira, janeiro 05, 2007

Ando chorona...

Não sei o que se passa comigo. Podia culpar as “questões femininas” do meu frágil estado de espírito, mas a verdade é que a lágrimita fácil já não surge só “naquela altura do mês”! Pior! Já nem tenho vergonha de andar p’aí a fungar em público!!!

Apenas um exemplo… Ontem fui ao cinema. O filme era uma comédia romântica (“The Holiday”). Comédia = boa disposição, certo? Aliás, ou muito me engano ou a amiga que me convidou para ir até me disse: “Estou a precisar de me rir um bocado!”… Não! Qual quê?! Passei o filme A FUNGAR forte e feio! As lágrimas eram TANTAS que a certa altura saquei do pacote de lenços e já não disfarcei mais! Saí do cinema com a cara feita num bolo! E ainda tive coragem de ir à casa de banho passar uma aguinha fresca no rosto, para que todas as meninas que lá se encontravam no fim da sessão não tivessem dúvidas sobre quem é que passou o filme a fazer aquele barulhinho sexy de quem tira a aguita do nariz!!!

E isto nem seria muito mau… SE FOSSE CASO ISOLADO!!! Mas não é! Ando mais mole de sentimentos do que as papas de um bebé!
Tudo me faz chorar! Uma reportagem sobre uma velhinha, um cachorro a correr atrás do dono, uma festa mais veemente do meu gato, uma recordação inesperada, uma determinada palavra dos outros, hell!!, as minhas próprias palavras!!!
Não sei como isto aconteceu! Será da idade? Será do tempo a mais nas mãos? Será por eu meditar para “abrir o coração”?!! Eu nem sequer ando deprimida! Pelo contrário! Foi quando deixei as depressões para trás que comecei a ter este coração mole…
É bonito, mas é UMA CHATICE!!!!!
Será passageiro? Ou vou ser chorona para sempre…? Ai…………

13 comentários:

Ricardo Rayol disse...

Deve ser o tal inferno astral que nos torna melancólicos... passa mas pode se repetir

pensamentos_vagabundos disse...

gostei da parte da aguita no nariz:)
beijo vagabundo

Jotabê disse...

Agora fizeste-me lembrar o meu post “…coisas impossíveis”, continua a fazer sentido aquilo que se vai escrevendo por aqui, e que vamos partilhando. O nosso quotidiano previsível que nos consome, torna-se maravilhoso na forma como se encaixa no dos outros e, lá voltamos nós ao mesmo, isto tem muito pouco de virtual e somos todos muito iguais e reais.
Fica a informação desta tua fase de pranto, que será passageira de certo, que não é para entender, pois, como está no meu post, há coisas impossíveis.

:)

Beijocas

[chorona]

stela disse...

Não sei se é o caso mas às vezes passamos muito tempo sem chorar... chorar faz bem e faz falta... talvez seja uma fase de renovação interior, se calhar precisas de chorar isso tudo. Deitar cá para fora! Deita tudo cá para fora!
beijos grandes

kiki disse...

De facto, acho que fomos "separadas à nascença". ciclicamente confronto-me com esse estado de espírito quando, aparentemente, não tenho motivos para tal.Ñão tem explicação!
Chorar alivia.

Pedro Branco disse...

Desafio-te, então, a uma viagem pelas palavras que nos unem...

Pedro Branco

Marta disse...

Chorar é tão bom, que ultimamente nem o choro me consola!
Gostei do texto.
Marta

SoNosCredita disse...

ñ sei responder à tua pergunta... mas quando souberes a resposta diz-me!
também tenho fases assim.
se bem que, ultimamente, ñ tenho tido tempo p'ra isso...

mas ainda ontem, estava a ver o DVD da Mariza, que passou na RTP, e ñ parava de chorar.

(hoje de manhã soube o porquê de tanta emoção, quando fui ao WC)

ñ que ela ñ me emocione, muito pelo contrário.
mas pronto.

também hoje, tive um ataque de riso em directo, enquanto fazia noticiário.
de certeza que ninguém percebeu nada da meteorologia...
:/

The Star disse...

Minha querida, temos fases que não conseguimos explicar.
Eu própria ando numa dessas fases. Tudo o que vejo, ou ouço, a mínima coisa dá-me para abrir a torneira.
Muitas vezes adormeço a chorar, nem razão aparente. No dia seguinte, acordo outra, com mais energia, renovada, e até me pergunto: porquê? o que me fez chorar ontem?

Quanto a teres chorado a ver o Holiday, não te censures, o filme é belíssimo.
Eu só não chorei, porque tive vergonha, e fiz imensa força para não deitar tudo cá para fora. Mas as lágrimas, molharam-me os olhos. Quanto o filme terminou, tinha um nó enorme na garganta, porque não tinha chorado o suficiente para o desfazer.
Daí ser melhor chorar, do que guardar tudo cá dentro. Limpa-nos por dentro.

Beijo muito sentido.

Bel disse...

EU acho que é do tempo e das alterações que nos obrigamos o nosso corpo a sofrer. Ai como te compreendo. Ha dias assim
jinhos

Esteril disse...

Eu digo-te que é uma fase, essa de chorares por tudo e por nada. Faz-te bem chorar, também choro algumas vezes e também já passei anos sem chorar. Pessoas que não choram, não são tão sentimentais. Também já tive uma fase que chorava a ver filmes apenas por exemplo por ver sentimentos de amizade pura. Outro que me lembrei agora foi o "Pianista", vi o filme várias vezes e então estava nessa fase sensível e chorei bastante. Ainda ando nessa fase, carente e sentimental, já à bastante tempo, embora não chore muito. Mas com algumas muiscas ainda choro, um dia mostraram-me uma musica de "Ana Carolina e Seu Jorge" e amei... Ouvia-a várias vezes seguidas e chorava sempre desalmadamente, não sei porque, mas a força das vibrações da musica, da voz e da letra, faziam-me chorar. Adoro chorar a ouvir essa musica :)
São fases que passam e como já disseram aqui também, limpa e descomprime o teu interior.
bjs

GK disse...

Obrgada, pessoal.
Sempre chorei quando tinha de chorar! Sempre achei que guardar tudo é contraproducente, já que um dia vai ter de sair e já vi gente a perder a razão por isso. Mas há alturas em que… fogo!!!

Esteril:
Já agora, acredites ou não, a música que me faz chorar SEMPRE, esteja onde estiver, é o tema do filme da Disney “Aladino”, “A Whole New World” ou “Um Mundo Ideal”!!! LOL Em inglês ou em português, causa sempre um dilúvio! O que me leva a concluir que é a melodia… As notas usadas devem ser especiais! LOL

Esteril disse...

gk,
é bem possíveis que a junção essas notas te façam mexer com o teu sentimento e lá vai disto.
bjs e bons dilúvios :)