quarta-feira, agosto 23, 2006

Por causa de um simples vestido...

Pensava que estava ultrapassado. Morto e enterrado. Mas afinal faz parte de mim. É uma batalha para toda a vida. Periodicamente, ciclicamente vou ter de cerrar os punhos e aguentar. Chorar, limpar as lágrimas e voltar a esquecer… Até à próxima vez.

Hoje comprei um vestido. Um vestido lindo. Daqueles que nos revelam que também nós podemos ser a princesa do conto de fadas. Comprei, mas, se calhar, não devia ter comprado…
Não, não me arrependo, porque não me arrependo de nada. Também não é sentimento de culpa, porque o detesto, e não tenho de pedir desculpa a ninguém e comigo própria as contas estão sempre ajustadas.
É outra coisa.
Não é o vestido e o quanto custou exactamente. É o porquê de o ter comprado.
É o processo mental. É o sentimento renascido de me sentir… miserável… E de ter de o combater… E de agora poder fazê-lo.
Foi por isso que o comprei.
O vestido é lindo. Estava em saldos, numa loja em que raramente entro, exactamente para não cair em tentação, porque uma tentação, ali, pode ser grave.
Entrei com umas amigas. Na boa. Nem a loja é assim TÃO especial, nem eu sou do género de me sentir deslocada. (Tenho “amigos” que têm casas com piscina e quadros verdadeiros na parede e “amigos” que arrumam carros.)
Vimos coisas. Uma amiga experimentou uns tops. E eu vi O vestido. Por cima tinha a indicação de saldos: “Vestidos a partir de X.” Um achado!
Não resisti a experimentar. Parecia o meu tamanho…
Era! Ficava linda! (Tanto quanto possível…) Todas acharam.
Estava decidida a trazê-lo quando reparei que o tal “X” que referia o letreiro era, neste caso, multiplicado por dois…
Hesitei. Só daqui a três meses é que eu o poderia comprar sem me bater demasiado…
E foi aí. Foi aí que senti outra vez o tal sentimento que já não cruzava o meu caminho há muito tempo: senti-me miserável!
Quando era miúda acontecia algumas vezes. Não podia comprar o gelado maior ou a mochila mais cara. Tinha de desistir desses… caprichos. Não que tenha passado dificuldades: nunca passei. Simplesmente não podia ter caprichos. Desisti de coisas que, no fundo, eram importantes. E, de cada vez que acontecia, era horrível!
Esse sentimento ficou. Faz parte de mim.
Agora posso dar-me ao luxo de pequenas extravagâncias, mas a minha reacção nessas situações é, pelos vistos… borderline…
Não me sei valorizar. Não sei pedir um aumento. Não sei acreditar, de facto, num elogio. Não me sei “vender”, porque acho sempre que o que realmente quero… é um capricho. E eu nunca tive direito a caprichos…
Foi por isso que comprei o vestido.
Porque me senti miserável e prestes a desistir de algo que queria, quando até o podia ter. Quando fiz um longo caminho para levantar a cabeça e exigir aquilo que deve ser meu por direito. Quando achava que esse caminho estava percorrido, conquistado, encerrado. E a lição aprendida.
Comprei o vestido porque podia comprá-lo… ainda que fosse um pouco insensato. Comprei-o porque me sentiria miserável se não o fizesse… Embora fosse perfeitamente normal não o comprar. Comprei-o para provar a mim própria que o posso fazer. Que tenho o direito de o fazer. Que devo fazê-lo… Já que isso, de uma forma distorcida, significa que já me sei valorizar.
No entanto, não sei se esta compra se justifica. Não me refiro ao dinheiro, não foi assim TÃO caro. Refiro-me a todo o processo mental…

Cheguei a casa e vesti-o. A olhar para o espelho, voltei a sentir-me uma princesa… E voltei a sentir-me miserável! Até quando vai ser preciso uma insignificante peça de roupa para eu me sentir uma princesa…?
Que patético!

11 comentários:

your disse...

earn money - tramadol cool blog :)

SoNosCredita disse...

pois, a questão não é nem o vestido em si nem o preço dele...

"capricho" é uma palavra demasiado depreciativa, quando se fala de um sentimento que nada tem a ver com futilidades, superficialidades ou materialismo...

sei tão bem o que isso é!

(então agora, a trabalhar diariamente com cd's e livros, coisas simples e banais, mas que não posso comprar... não como gostaria!)

detesto senti-lo.
detesto ter de fazer contas para poder ter coisas que considero básicas.

Pierrot disse...

Sabes que mais...com o resultado positivo daquela carta que enviaste, pões o vestido e mai nada!
Tá feito e vais correr que tudo corre.
Bjos
Eugénio Rodrigues

Jessica Rabbit disse...

opa...nem tanto ao mar nem tanto á terra. Apeteceu, compraste..agora..enjoy! Põe-te linda ( ou mais ainda), sai á rua, festeja a carta, o vestido, e o q mais te der na gana

MoonLight disse...

Já és Princesa! Com ou sem vestido.
As verdadeiras Princesas trazem a Alma vestida de Amor, no sorriso a caompaixão e no olhar a ternura...
Se o vestido te fez sentir ainda mais Princesa, fizeste muito bem.
Se vais buscar partes de ti que ainda não estão resolvidas, fizeste muito bem.
Ou seja, fizeste bem, porque fizeste o que sentiste.
Se o vestido te ajuda a aceitar uma parte de ti que ainda te custa aceitar, parabéns. És mais corajosa que muitas pessoas que deixam de fazer o que realmente sentem, por motivos, sabe-se lá quais...
Vais em frente.
Bjs de Luz

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

Se o compraste e se te fica bem só tens ke usar o vestido e não pensar em mais nada...
Beijos

Jupiter disse...

se te faz sentir uma princesa, ainda bem que o compraste. De vez em quando precisamos de nos mimar sem sentir remorsos. Não tenhas esses sentimentos, corre com eles, goza o momento, que amanhã é outro dia.
Deves ficar linda :)

Manuel Rodrigues disse...

(...)Os vultos tornam-se cada vez mais evidentes, e a inexplicável vontade de amar(..)

Como um louco perdido na escuridão sinto as palavras, sinto os receios, busco o meu ser, escondo-me por trás do meu eu e acredite, por todos os momentos não esqueço aquele em que acredito.

Um dia é apenas um dia, uma vida não é apenas uma vida.

Persigo a perfeição, nos actos, aqueles que encontrei e defendo-me, porque estou a assumir aquilo que quero e não apenas aquilo que consigo.

Mina disse...

Às vezes, faz-nos falta cometer algumas loucuras! E se nos fazem sentir bem, melhor ainda. Senão já viste o quão aborrecida seria a nossa vidinha? Não te arrependas... vive a vida, aproveita esse luxo! :)
Beijoca.

rouxinol de Bernardim disse...

Vestido, vestido e... eis a princesa com problemas de consciência1... Pergunto: a tentação está no continente ou no conteúdo?

AnaB disse...

Olá gaja!

O vestido é lindo, mesmo!
E assenta-te que nem uma luva, mesmo!
(I was there... =)

Se não fossem estes impulsos do momento, estes arrebatamentos espontâneos e imprevistos, a nossa vida seria tão sem sal...

Manda o "complexo" às urtigas e enjoy o vestidito. Ele vale o dinheiro que custou pelo brilhozinho que deixa nos teus olhos!

Beijinhos,
AnaB