sábado, agosto 05, 2006

Falta-me "um bacadinho assim"...

Águas calmas e dias compridos obrigaram o meu coração a diminuir a batida. O calor do sol e o ar do mar quase me tornaram sonolenta. Mas o vulcão não se extingue nunca. No máximo, adormece…
A falta de coisas para fazer depois de jantar; as refeições que se tomam no mesmo sítio; o sol que não brilha sempre; as algas que povoam a praia idílica; o escaldão ou a depilação sempre defeituosa… Desculpas para não ser feliz!
De férias? Sim, teoricamente. Mas como esquecer que os dias estão contados? Como fugir aos problemas que ficaram em casa? Como relaxar?...
Ainda me falta um bocadinho para conseguir aceitar o que a vida me dá, apenas o que dá, como e quando dá…Mas estou a tentar, porque sei que esse é o caminho da felicidade…

Vista do quarto de hotel - Isla de Sta Cruz - Torre de Hercules (Farol) - Casa da Ópera
A Coruña

8 comentários:

alikimista disse...

Já sabes a teoria...só basta passar à prática. Permite.me que ocupe aqui o teu espaço com um poema de Neruda

Quién muere?
>
> Muere lentamente
> quien se transforma en esclavo del hábito, repitiendo todos los días los
> mismos trayectos, quien no cambia de marca.
> No arriesga vestir un color nuevo y no le habla a quien no conoce.
> Muere lentamente
> quien hace de la televisión su gurú.
> Muere lentamente
> quien evita una pasión,
> quien prefiere el negro sobre blanco
> y los puntos sobre las "íes" a un remolino de emociones, justamente las que
> rescatan el brillo de los ojos, sonrisas de los bostezos, corazones a los
> tropiezos y sentimientos.
> Muere lentamente
> quien no voltea la mesa cuando está infeliz en el trabajo, quien no arriesga
> lo cierto por lo incierto para ir detrás de un sueño, quien no se permite
> por lo menos una vez en la vida, huir de los consejos sensatos.
> Muere lentamente
> quien no viaja,
> quien no lee,
> quien no oye música,
> quien no encuentra gracia en si mismo.
> Muere lentamente
> quien destruye su amor propio,
> quien no se deja ayudar.
> Muere lentamente,
> quien pasa los días quejándose de su mala suerte o de la lluvia incesante.
> Muere lentamente,
> quien abandona un proyecto antes de iniciarlo, no preguntando de un asunto
> que desconoce o no respondiendo cuando le indagan sobre algo que sabe.
>
> Evitemos la muerte en suaves cuotas,
> recordando siempre que estar vivo exige un esfuerzo mucho mayor que el
> simple hecho de respirar.
> Solamente la ardiente paciencia hará que conquistemos una espléndida
> felicidade

Beijo

GK disse...

Obrigada, alikimista,

Belo poema. Uma verdade por mim conhecida... Estou a tentar contrariar... ;)

Bj.

A.J.Faria disse...

Olá,gk!
Gosto da forma como escreve, conseguindo transmitir de forma espontanea e simultaneamente cativante os diversos estados de espirito por que todos nós passamos.
Espero voltar!
Bom fim de semana!
Bjs

Abssinto disse...

A "felicidade"...so posso responder com um cavo suspiro.

noivo disse...

Não será esse o método da libertação?

Carlos disse...

felicidade ... o que é para ti a felicidade? ... um fim de dia no parque verde a conversar? ... um convite? ... um desafio? ... uma provocação? ...
Hei de te dar sempre um pouco
Do que em mim é ser contente
E a minha felicidade
Vai de mãos dadas contigo.
Não sou capaz de ter nada
Que não te dê de presente
Meus sorrisos têm o gosto
Dos teus olhos .

Andreia do Flautim disse...

Faz como eu, esquece os pormenores infelizes e goza as férias!

Bonita vista!!

P.S. Obrigada pela visita. Aparece sempre!

Paulo Sempre disse...

Posto o Sol da esperança
O medo acaricia-lhe os olhos
Ao espelho as meias pretas
Atenuam-lhe as nódoas roxas dos crifões

Mulher sem ventre
Corpo a monte sem passaporte
Sabes do cio o inverno precoce
As grutas inundadas por mar alheio
Os adjectivos espancados
E os beijos de seiva

No teu corpo
Há neblina perfumada de fantasia
O segredo e o ódio
Talvez vagas de esperança
Mas quando o teu corpo dá à costa
Já em terra o peixe é fresco
E o lugar comum de estar só esta de volta.
(Paulo)

PS: Este poema foi inspirado numa amiga, prostituta, mas, ainda assim uma grande amiga.
Gostei do blog.
Bjs
Paulo