sexta-feira, janeiro 30, 2009

The gym

Tinha de me mexer, gastar energia e tonificar o corpinho que já se sentia à beira de um ataque cardíaco, portanto, inscrevi-me num ginásio. Nada mais normal nos dias que correm. No entanto, eu nunca fui normal…
Toda a vida me rebelei contra os ginásios. Detestava-os. Perdoem-me a franqueza, mas, para mim, salvo raríssimas excepções, eram armazéns de pedaços de chicha mais preocupados com a estética do que com a saúde, onde se juntavam um monte de máquinas inúteis que serviam para reproduzir “in vitro” tudo aquilo que se podia fazer no mundo, caso estas pessoas de palas nos olhos decidissem explorá-lo. Mas, claro, no mundo real, a arte do engate é bem mais complicada, até porque as vítimas se espalham mais, em vez de ficarem ali à espera das abordagens alheias.
Claro que esta minha forma de ver as coisas foi sujeita a enormes evoluções. À medida que a vida adulta ia tomando conta do pessoal que anteriormente fazia piqueniques no Choupal ou marcava tardes na piscina municipal, tornei-me menos radical e percebi que tinha de existir um lugar, concentrado, onde os workaholics, normalmente pessoal sedentário com vidas feitas em escritórios, se pudessem mexer um bocado. Mas eu não queria fazer parte desse mundo. Para mim, mexer era lá fora e sem rotina!
Pela boca morre o peixe e chegou a altura da minha vida em que tenho um emprego fixo e em que me sento ao computador sete ou oito horas por dia. Quando levanto o rabo da cadeira do escritório, sento o rabo no carro para conduzir até algum sítio onde o meu rabo se volta a sentar, seja no auditório do cinema, nas cadeiras do restaurante ou no sofá de casa. As tardes na piscina deixaram de existir, bem como os piqueniques no Choupal e até as maratonas de compras na Baixinha ou os passeios à Mata de Vale de Canas. Ao fim de semana, em vez de correr na praia, ou fazer caminhadas em centro históricos, a maior parte dos programas incluem apenas pôr-do-sol, jantar e café.
Ora, o meu rabo começou a refilar quando o enfiava dentro das calças habituais, os espelhos da lojas de roupa já se riam de mim quando era obrigada a mostrar-lhes as pelezitas caídas dos braços, barriga e outros sítios mais emblemáticos. E eu comecei a não gostar nada de mim. Não comer e não dormir também não me pareceu natural. Não o fazia por querer, mas como não gastava energia NENHUMA, simplesmente não tinha apetite e rebolava na cama à noite. E não vale a pena falar dos problemas acrescidos que a falta de auto-estima traz às pessoas…
Rendi-me.
Máquinas, cardio funks, racings e aeróbicas não fazem o meu género. Eu não preciso de me cansar ou de me desafiar. Eu preciso de me mexer, de respirar e de ter tempo para me encontrar. Por isso, dei Graças a Deus pela moda do Pilates e do Corpo & Mente. São coisas que sempre fizeram sentido para mim e só lamento estarem associadas ao espaço confinado e culturalmente questionável do ginásio…
Inscrevi-me.
E depois chorei.
Chorei que me matei. Porquê? Porque apesar de saber que os benefícios serão imensos e mesmo conseguindo passar por cima das desvantagens de andar a correr para o outro lado da cidade duas vezes por semana, com horários e saídas apressadas, e embora até consiga encarar com coragem o facto de esta ser mais uma merda que exige disciplina (é que eu tenho disciplina DE SOBRA, não pedi - nem queria - TANTA DISCIPLINA na minha vida!), não consigo apagar a ideia de que esta é mais uma daquelas situações que me obriga a admitir que sei exactamente onde vou estar semana após semana após semana após semana... E essa é maior sensação de fracasso que tenho memória.

14 comentários:

Boop disse...

Muda lá essa maneira de olhar para o teu mundo!
São uns minutos de cada vez.
Quem sabe perto de pessoas simpáticas que eventualmente te vão dar a conhecer um monte de coisas novas e inesperadas.

Master disse...

Hello Gisa!
Não sei bem o que dizer, depois de te ler. De facto tens muita disciplina, mas os nossos hobbys não devem ser regrados pela disciplina. Primeiro devemos escolher o que gostamos, depois deve ser essa paixão que nos vai conduzir aos treinos e não a obrigação ditada pela disciplina. Dá para entender? Eu vou da Lousã para Coimbra todas as quintas para dançar. Será disciplina? Não! É gosto. Também não basta pensar só nos benefícios. Andei na hidroginástica e, embora ela me fizesse bem, não em motivava. Deixei e não estou arrependida, embora o meu corpo esteja. Os ginásios para mim têm um problema. É tudo muito solitário, contudo se gostares de fazer Pilates - por alguma coisa escolheste isso - se começares a conhecer outras pessoas que estão ali para descontrair e fazer exercício pelos mesmos motivos que tu, quem sabe se não será verdadeiramente interessante, hein? Se concluires que não gostas, pumba, deixas e procuras outras coisa onde te sintas melhor. Apesar das rotinas nos matarem pelo tédio (falo de mim), hoje a Lousã foi bafejada por algo magnífico. Surgiu um magnífico arco-íris no céu, que me fez sonhar...

Gi disse...

O Ginásio não tem que ser tão disciplinado assim!
Eu adoro lá ir, é um tempo só para mim, danço, faço aeróbica, faço sptep, faço "localizada" e conheci pessoas espectaculares.

Gata Verde disse...

Ora aí está uma coisa para a qual não nasci..."ginasticar"!!! E acredita que já tentei...

beijos

Rafeiro Perfumado disse...

Tu não precisas de um ginásio, é de um rabonásio, afinal o problema parece estar bem localizado.

Beijoca!

Lu.a disse...

LOL! Oh meu deus, podia ter sido eu a escrever este post!
Também tenho uma aversão a ginásios, e tal como tu, esta semana rendi-me às evidencias, no meu caso rendi-me à evidencia de que a chuva veio para ficar, o São Pedro não me curte, e como tal a ultima vez que fiz o meu querido jogging foi em 2008! Moral da história? Tou a ficar histérica, a ressacar do meu vício de desporto...lá vou eu 3ª feira para o ginásio...!:S (Mas só até à Primavera, depois tenciono voltar às minhas corridas outdoors...)

Efeito Estroboscópico disse...

Do mais verdadeiro que ja vi... eu ja tentei também tantas vezes que até me enerva pensar nisso!

Pisces Girl disse...

Como eu te compreendo... ginástica aeróbica, máquinas, body pump, etc também não fazem o meu género. Mesmo Pilates e Corpo&Mente tenho as minhas dúvidas.
Gosto muito das minhas aulas de hidroginástica. Por alguma razão já é o terceiro ano consecutivo de inscrição...

Um beijinho grande,

Pisces Girl.

Pedro Barata disse...

Acima de tudo tens que te sentir bem e não sentir as coisas como uma sacrificio. Esse é o segredo!
Beijinhos e bons treinos!

The Star disse...

Yah, ginásio também não é para mim. A preguiça apodera-se... acho que ainda não é este ano que tomo essa grande resolução de ir para o ginásio.
Mas acho que o segredo está em não levar o exercício como uma obrigação e sim algo que nos dê prazer.
Eu ainda estou à espera que esse dia chegue. :s

Kalua disse...

Já pensei tantas vezes nisso, mas eu nunca fui dada a ginasticas... desde que me lembro dos tempos de escola, não era por preguiça, mas sim por falta de jeito e/ou de algo que realmente me entusiasmasse... andava de bicicleta, adorava andar no mar, dançar, mas nunca fiz desporto propriamente dito... entrando no mundo do trabalho é mais complicado, depois vem a preguiça, o acomodar à situação, as desculpas de falta de tempo, outros interesses, outras responsabilidades, enfim... o orçamento claro que também pesa sempre e nos dias que correm, até chegar para as coisas básicas já é dificil... não me vejo a praticar desportos mais desgastantes, mas gostava de experimentar algo tipo tai-chi, yoga, etc... para mim tem que ser algo mais do queimar calorias! temos de encarar a coisa como algo que realmente faça sentido, seja pelo prazer, seja pelo cumprir um objectivo, enfim...
bjs

GK disse...

Caríssimos,

Agradeço os vossos comentários. Fizeram-me sentir menos “bicho do mato”.
Agora deixem-me dizer-vos…
Já fiz três aulas de Corpo & Mente e dei por mim, em casa, no fim-de-semana, a imitar os exercícios da aula, porque, francamente, sinto que não chega para gastar toda a minha energia acumulada. Quando o Prof. decidiu vir com a conversa do “agora tem de completar as duas aulas por semana com um bocadinho de cardio”, pensei: “Lá está o gajo a tentar converter-me!”. Mas a verdade é que, sim, eu TENHO de fazer mais qualquer coisa. Mas continuo a não me ver nas máquinas e continuo a achar que os ginásios são locais culturalmente MUITO questionáveis.
Anyway, com apenas TRÊS aulas de Corpo & Mente, consegui voltar a “estar em contacto comigo” (não sei como explicar melhor, a menos que diga que parecia que andava adormecida e agora estou a acordar para a vida), consegui andar mais bem disposta (ou mal disposta, porque agora também me dá para chorar… e logo a seguir… passa…), consegui passar a dormir que nem um anjinho e a comer de forma mais racional! No embalo, até já faço a depilação sem atrasos e ponho creme hidratante depois do banho (o choque!). LOL
Quanto a esta necessidade que ainda sinto de gastar energia… Bom… Comprei uns patins em linha… Agora tenho é de meter uma cunha junto do São Pedro para me trazer uns dias de sol (Lu.a, se falares com Ele antes, fala-lhe de mim também, vale?)…
;)

SoNosCredita disse...

eu sinto-me de outra maneira dsd q comecei a caminhar c eles... e isso d saberes onde vais estar ñ tem q ser negativo. mas eu tb sei q tu o sabes.

*

Carracinha Linda! disse...

GK,

Continua no ginásio, não desistas. Eu então gostava de ter um bocado mais de força de vontade para ir também para um ginásio... Só que quando me ponho a pensar que tenho que ir sozinha e chegar mais tarde a casa, perco logo a vontade. Digamos que sou mais adepta do "Sofásio"!
Há quase 3 anos fiz cardio-kickboxing! Um espectaculo!!!! Mas entretanto mudei de emprego e como ficava fora do caminho acabei por desistir.
Ainda assim, quero ver se me entusiasmo de novo a procurar outro ginásio... é que o pneu em volta da barriga fica feiote...

Bjs!